O que eu não disse

Você olhou para mim, preocupado, uma ruga entre as sobrancelhas expressando claramente sua sincera incompreensão.
{Quando você falou que se achava capaz de decifrar o mundo, mas eu lhe parecia um mistério sem solução, eu quis dizer "não está estampado em meu rosto, como todos os outros podem ver? não é meio óbvio demais o que eu sinto?"
Quando você falou que já me conhecia o suficiente e, ainda assim, esperaria que eu estivesse pronta, eu quis dizer ”por favor, por tudo, não desista de mim”
Quando você falou que já não sabia o que fazer, eu quis dizer "apenas fique aqui"
Quando você falou que não poderia imaginar qual seria a minha reação se me roubasse um beijo, eu quis, mais do que nunca, dizer "eu adoraria se o fizesse!"
E, então, quando você falou que eu era a menina, eu quis declarar, com toda a franqueza que fosse capaz de reunir, "não, só sou a sua menina"}.
Eu desviei o olhar. Aquilo era torturante. Por todas as coisas que quis dizer, mas não disse. Temendo que você, finalmente, entendesse que o mistério-sem-mistério-algum era somente a reciprocidade de um sentimento, por ora, enjaulado. Que, no fundo, eu queria deixar escapar. Só esperava pelo momento certo.

Um comentário:

  1. Olá, parabéns pelo seu blog!
    se você puder visite este blog:
    http://morgannascimento.blogspot.com.br/
    Obrigado pela atenção

    ResponderExcluir